porta para casa

Afinal, como escolher o melhor modelo de porta para uma casa?

A escolha do tipo de porta para casa pode transformar por completo a vista frontal de um imóvel. Em residências localizadas dentro de condomínios horizontais fechados, onde projetos arquitetônicos personalizados são predominantes, os arquitetos tiram proveito do espaço extra e capricham na composição da entrada principal. 

Quer evitar erro e valorizar ainda mais seu lar? Acompanhe este post e confira tudo o que deve ser levado em consideração na hora de eleger o modelo de porta ideal.

Quais elementos compõem a fachada frontal de uma residência?

Em imóveis de alto padrão, as fachadas são elementos marcantes. Por isso, acertar na escolha da porta é muito importante: o “cartão de visitas” da residência tem de ser funcional e esteticamente harmônico.

A fachada frontal é composta por todos os elementos construtivos e decorativos dispostos da linha do piso ao telhado. Sendo assim, as janelas devem seguir o mesmo material e design da porta.

Já a aplicação do revestimento na parede da fachada deve ocorrer antes da instalação da porta e das janelas, de modo a preservá-las intactas.

Dos acabamentos tradicionais (como pintura, tijolinhos à vista ou pedras naturais) aos mais modernos, como chapas de aço corten ou jardins verticais irrigados automaticamente, o importante é que o revestimento eleito seja resistente à ação das intempéries e, ao mesmo tempo, valorize janelas e porta.

 

O que considerar ao escolher um modelo de porta para casa?

A escolha da porta da entrada principal deve respeitar, em primeiro lugar, as medidas do imóvel. Afinal, de nada adianta ser bonita e desproporcional. Veja 5 fatores que devem ser observados na hora de encontrar o modelo com melhor custo/benefício para sua residência:

1. Dimensões

A estrutura de uma porta é composta por:

  • folhas (chapas externa);
  • batentes (perfis retangulares, geralmente de madeira ou metal);
  • guarnições (dão o acabamento entre a alvenaria e os batentes);
  • maçanetas (usadas para abrir e fechar).

A porta da fachada frontal, considerando-se modelos padrões, costuma ter 2,10 m de altura por 82 cm de largura (variando entre opções menores, com 72 cm, e maiores, com 92 cm de largura). A espessura é, em média, 3,5 cm.

Porém, em imóveis com grandes vãos, onde a ideia é valorizar a vista, as portas podem ser feitas sob medida — desde que com limites elevados, para atender às extensas aberturas, reforços metálicos e ferragens que suportem o peso.

2. Composição

O que define as matérias-primas mais adequadas para a composição de uma porta são as características climáticas da região — essenciais para garantir a durabilidade — e o estilo arquitetônico. Veja alguns exemplos:

  • portas de madeira maciça reflorestada: quando devidamente tratadas, são resistentes ao sol, ao vento e à chuva, além de serem clássicas e sustentáveis. Já portas ocas devem se restringir aos ambientes internos;
  • portas de PVC: mais modernas, vão além do branco e aparecem no mercado em versões amadeiradas ou coloridas, junto a vidros com que barram os raios UV. Destacam-se pelo fechamento hermético e pela resistência à maresia, sendo ideais para regiões litorâneas;
  • portas de aço: hoje em dia, os serralheiros executam modelos em formatos especiais sob medida, ideais para portas de entrada. Mas é preciso ter em mente que o aço é um material que pode oxidar e, portanto, é contraindicado para áreas litorâneas;
  • portas de alumínio: são mais leves e já vêm pintadas, mas não permitem tanta versatilidade como o aço. Por outro lado, as venezianas anodizadas são resistentes à corrosão e à maresia.

3. Estilos e aberturas

A maioria das portas encontradas no mercado faz parte dos modelos de abrir, os quais funcionam por meio de dobradiças que permitem a abertura em um ângulo de até 90 graus. Tradicionais, essas opções oferecem boa vedação e bom isolamento termoacústico.

Já em projetos arquitetônicos elaborados, com pé direito mais alto do que o padrão, as portas pivotantes são as preferidas. Para que funcionem, em vez de dobradiças, são utilizados pivôs, que as permitem girar em torno do próprio eixo. Trata-se de uma excelente opção para locais de clima quente, onde a vedação não é um fator primordial.

Em ambientes nos quais o objetivo é preservar a área livre, pode-se instalar portas de correr ou elevadoras (com soleira embutida). Porém, essa é uma alternativa mais usada internamente (ou na fachada do fundo, com vista para a piscina) do que na fachada frontal.

O mesmo vale para portas camarão (também conhecidas como sanfonadas ou articuladas), de giro (que possibilitam a abertura para os dois lados) e outras que são instaladas preferencialmente para fazer a conexão entre ambientes internos.

4. Manutenção

Quanto mais simples for a manutenção da porta da fachada, melhor. Neste quesito, modelos de PVC, cuja lavagem deve ser feita com água, sabão neutro e um pano macio, conforme a necessidade, são imbatíveis.

Portas de madeira e outros materiais também devem ser higienizadas sem produtos químicos e agentes abrasivos, sempre seguindo as orientações dos fabricantes. Quanto à lubrificação das ferragens, deve-se realizá-la, em média, entre seis meses e um ano.

Já no que diz respeito à periodicidade da reaplicação de tintas ou vernizes, é preciso observar as orientações dos fabricantes das respectivas coberturas.

5. Harmonia estética

A porta da entrada precisa combinar com o estilo do imóvel, bem como com os revestimentos utilizados nos pisos e nas paredes, além da futura decoração da casa. Portanto, em construções contemporâneas, repletas de linhas retas e grandes vãos, deve-se optar por peças que sigam a mesma estética.

Um modelo de PVC, que permita bastante luz solar no hall de entrada, completa a proposta arquitetônica. Já em construções rústicas, portas robustas de madeira de demolição, com ou sem vidros, reforçam o ar campestre.

Como a porta principal pode reforçar a segurança do imóvel?

A porta da fachada frontal, assim como as demais portas externas, deve ser resistente a arrombamentos. Modelos de madeira maciça, por exemplo, são considerados bastante seguros.

uso de fechaduras com grau máximo de segurança (como opções tradicionais de aço inox, com chaves multipontos, ou versões modernas, com cartão de chip ou biometria) também é importante, assim como outros recursos tecnológicos.

Mas, independentemente do modelo e do material, verifique se a porta atende às normas técnicas que garantem seu bom desempenho. Ou seja: boa vedação e resistência, desempenho termoacústico, fácil manutenção, maior vida útil e mais segurança.

Seja comprada pronta ou feita sob medida, se conseguir unir beleza, funcionalidade e durabilidade, pode ter certeza que o investimento feito na porta para casa valeu a pena.

Deseja conhecer outras medidas que transformam o lar e valorizam ainda mais o imóvel no mercado imobiliário? Aproveite para descobrir como construir uma casa sustentável!

Posts relacionados