como-ter-uma-casa-segura-sem-afetar-na-estetica-do-projeto.jpeg

Como ter uma casa segura sem afetar na estética do projeto?

Bons profissionais sabem que incluir soluções que proporcionem mais segurança às famílias é imprescindível na elaboração de um projeto arquitetônico. Para não comprometer o design, foi-se o tempo em que era preciso colocar concertinas no topo dos muros, grades de ferro nas janelas, bem como trincos e mais trincos nas portas.

Graças ao avanço da tecnologia, hoje em dia existem alternativas discretas e muito mais eficazes para deixar a casa segura.

Para conhecer algumas maneiras de aumentar a segurança sem interferir na estética, tanto na área interna como externa, acompanhe o post. Depois, basta seguir as dicas e transformar o seu lar em uma fortaleza inteligente e funcional.

Por que devo tornar minha casa segura?

Tornar a casa mais segura é importante porque existe uma relação direta entre as características arquitetônicas, paisagísticas e urbanísticas da residência com a incidência dos problemas decorrentes da falta de segurança pública.

De fato, não importa se o imóvel se encontra no meio rural ou urbano, em um bairro comercial ou residencial, seja casa seja apartamento, a ordem é se prevenir.

Para isso, mais do que dificultar o acesso dos bandidos, recomenda-se investir em estratégias que reduzam o nível de atratividade exercido pelo lar. Afinal, não à toa essa corja é chamada de oportunista: sua opção será sempre pelo mais fácil de violar.

A boa notícia é que é possível blindar o imóvel sem comprometer sua harmonia estética. Para não destoar da arquitetura e evitar quebra-quebras futuros, sempre que possível as soluções devem ser instaladas no momento da construção.

Veja quatro maneiras que, além de aumentar o nível de segurança, valorizam o patrimônio.

Coloque fechaduras de boa qualidade

Em portas que dão acesso ao imóvel, o ideal é escolher uma fechadura “à prova” de chave micha (ferramenta comumente usada em arrombamentos).

Entre as que apresentam bom custo-benefício, modelos com duplo cilindro (que precisam da chave para ser abertas tanto pelo lado de fora como de dentro) são indicadas para portas próximas a vidraças, as quais podem ser quebradas.

Para escolher as chaves, saiba que multipontos são mais seguras do que tetras que, por sua vez, são melhores do que as mais comuns (do tipo yale). A diferença está na quantidade de pontos de travamento: quanto mais combinações permitirem, melhor.

Já as modernas fechaduras digitais reúnem diversos recursos que dificultam a invasão, como uso da biometria, de senha, de alarme etc. Mas por ser uma tecnologia consideravelmente nova, ainda são caras.

Invista em câmeras de vigilância e alarmes

Equipamentos de monitoramento modernos permitem o acompanhamento remoto, em tempo real, pelo celular do proprietário ou pela central de segurança responsável. Caso perceba alguma presença estranha, basta acionar a polícia.

Imóveis de alto padrão são previamente preparados para receber o sistema. Do contrário, a instalação pode exigir adaptações na parte elétrica. Caso o investimento não caiba no seu orçamento atual, vale a pena se planejar para instalá-lo futuramente.

Opte, enquanto isso, por câmeras falsas, as quais já ajudam a afugentar os criminosos. Para completar o cenário, não se esqueça de colar adesivos que indiquem a presença de dispositivos de seguranças no portão, portas e janelas.

Os alarmes, por sua vez, são uma alternativa bastante acessível e que não deve ser subestimada. Facilmente instalados em portas e janelas, fazem um baita barulho quando são forçados.

Tenha luzes com sensores de movimento

Sabe-se que uma boa iluminação ajuda a afastar a presença de bandidos. Luzes com sensores de movimento são as mais indicadas, exatamente por acenderem apenas quando captam alguma movimentação.

O sistema funciona assim: o infravermelho detecta o calor e acende apenas na presença humana, deixando passar pequenos animais. Trata-se de uma alternativa mais econômica e inteligente do que deixar as luzes acesas a noite toda.

Comum em fachadas, o recurso tem sido cada vez mais usado em garagens, espaços de lazer e demais áreas externas das residências.

Aposte em um paisagismo funcional

A chamada vigilância natural, que decorre da sensação de que se está sendo observado, é uma importante medida de segurança. Por isso, do mesmo modo como é indicado evitar muros e portões fechados, prefira um jardim com espécies baixas.

Opte por plantas que não obstruam a visão de quem está passando pela rua ou sirvam de esconderijo. Evite, ainda, deixar que os galhos das árvores cresçam próximos à sacadas, o que facilita o acesso a sobrados.

Para completar, use pequenas lanças de aço sobre os muros. O recurso tradicional não interfere no paisagismo, ao contrário das cercas elétricas, e serve para repelir invasões.

Por fim, lembre-se de que o jardim deve ser limpo durante períodos de ausência prolongada, para evitar o aspecto de abandono. Da mesma maneira, propagandas, jornais e revistas precisam ser recolhidos.

Qual é a importância de investir em qualidade?

Simples. De nada adianta investir em fechaduras de excelência, por exemplo, se as portas tiverem qualidade inferior (forem ocas) ou tenham sido mal colocadas (com dobradiças frágeis, batentes pregados em vez de parafusados etc.).

A instalação da porta precisa ser tão resistente quanto o sistema de bloqueio. Para completar, deve-se substituir contra testas (chapa de metal que envolve a fechadura) frágeis por opções com metais resistentes.

Além disso, a abertura da porta de entrada nunca deve ser para dentro. Contar com a mão de obra qualificada em todas as etapas do projeto é importante por conta desses detalhes que fazem toda a diferença.

No mais, ao mesmo tempo que é importante usar materiais de boa qualidade, deve-se fazer a manutenção periódica de todas as estruturas, para garantir que funcionem conforme o esperado.

Morar em condomínio fechado é mais seguro?

Certamente. A arquitetura preventiva atua sob três estratégias básicas: controle de acesso, vigilância natural e reforço territorial. Tratam-se de diferenciais comuns aos condomínios.

Dessa maneira, viver em um residencial fechado, de fato, é mais seguro do que morar em uma rua aberta, onde o lar fica diretamente exposto à invasão dos criminosos.

Além dos recursos de segurança disponíveis nos condomínios, como redes eletrificadas e monitoramento por câmeras de vigilância 24 horas, o espaço ainda conta com portaria — obrigando toda pessoa a se identificar antes de entrar.

Ao mesmo tempo, a maioria dos empreendimentos tem serviços de ronda particular. Capacitados, esses profissionais prestam assistência em um momento crucial do dia a dia: a hora de sair e de entrar em casa.

Essa é uma das situações de vulnerabilidade preferidas pelos bandidos, por conta da abordagem surpresa, principalmente ao abrir e fechar os portões.

O que mais posso fazer para me prevenir?

Independentemente da localização, para quem mora em uma casa com quintal, ter um cão faz os bandidos pensarem duas vezes antes de entrar. Sem contar que o latido serve de alerta para os vizinhos, que podem chamar a polícia na sua ausência.

Por fim, vale a pena contratar um bom seguro residencial e ter os números das autoridades gravados na memória do celular.

Agora que você já sabe como é possível ter uma casa segura sem prejudicar a estética do projeto arquitetônico, veja como aproveitar ainda mais seu lar investindo na área gourmet. Depois é só chamar os amigos e desfrutar sem ter com o que se preocupar!

Posts relacionados