decoração minimalista

Como fazer uma decoração minimalista? Confira 5 dicas!

Uma das delícias de construir uma casa é, ao término das obras, poder deixá-la com a cara da família. Para quem sonha com uma decoração minimalista, o momento que antecede a mudança é crucial.

Chegou a hora de exercitar o desapego e deixar para trás os itens que já não têm serventia. O bacana desse estilo é que, além manter os ambientes elegantemente organizados, você pode criar espaços confortáveis e com a personalidade dos moradores ao mesmo tempo.

Interessou-se pelo tema? A seguir, confira nossas dicas para acertar na hora de decorar seu lar sob a ótica do “menos é mais”.

Simulador Laredo

O que é o estilo minimalista?

O minimalismo é um estilo de vida alinhado à sustentabilidade. Na prática, seus adeptos buscam viver mais (e melhor) com menos. O conceito ganhou força nas últimas décadas do século 20, quando surgiu como uma solução para a necessidade de otimizar espaços — principalmente nos grandes centros.

Ao se desfazerem de tudo o que não tinha função, as pessoas perceberam que boa parte do que possuíam apenas ocupava espaço. Acontece que, em vez de sentirem falta dos objetos dispensados, passaram a ter mais qualidade de vida em casa.

Isso explica o fato de a filosofia minimalista ser uma das mais apreciadas quando se trata da decoração de interiores. Hoje em dia, ela se aplica inclusive a residências com metragens amplas, localizadas em zonas de expansão urbana afastadas dos centros.

Por que o “menos é mais” está em alta?

O conceito está em alta porque atende a diversos desejos contemporâneos. Afinal, investir em uma decoração minimalista gera:

  • mais economia no orçamento doméstico, pois evita a compra de itens desnecessários (que quase sempre ocorre por impulso);
  • mais tempo livre, por conta da facilidade na hora da limpeza e da praticidade na organização, visto que não há objetos acumuladas;
  • mais bem-estar, afinal os ambientes clean estimulam a atenção ao que realmente é importante, como se dedicar aos filhos, conviver com os amigos etc.;
  • menos preocupações, pois há menos objetos para serem quebrados, perdidos ou até furtados;
  • menos problemas respiratórios, pois, graças à limpeza e à boa ventilação, não existem condições propícias ao desenvolvimento de ácaros ou bactérias;
  • um patrimônio para as próximas gerações, já que os objetos têm qualidade superior e traços atemporais, tornando-se tesouros de família. Além disso, eles podem ser repaginados e servir de base para outros estilos, como escandinavo e industrial.

Como ter uma decoração minimalista?

Planejamento é a palavra de ordem. Para uma decoração minimalista perfeita, tire as medidas dos cômodos e liste os itens necessários. Atente para não sobrecarregar os ambientes, mantendo-os arejados, e lembre-se de que espaços livres fazem parte do estilo, devendo ser preservados.

Quando for às compras, opte por um mobiliário de ótima qualidade, que seja confortável, neutro e elegante. Escolha objetos práticos: para não errar, em vez de olhar as peças sozinhas nas vitrines, imagine-as ambientadas em sua casa. Na maioria das vezes, são itens desnecessários, sem nada a acrescentar.

Quais são os principais elementos desse estilo?

Para quem vive na correria, praticidade, funcionalidade e conforto são tudo o que um lar precisa ter. A decoração minimalista proporciona essa sensação de “alívio” ao chegar em casa. Nela, as escolhas partem do que se considera essencial para o bem-estar da família. Veja alguns exemplos a seguir.

1. Paredes e pisos

Em ambientes minimalistas, as paredes podem ser pintadas ou receber revestimentos, desde que neutros. Brancos, cinzas, beges e pretos são coringas. Se quiser dar um colorido, opte por tons naturais, como azuis e verdes-claros.

Lembre-se, no entanto, de que a escolha não deve ser aleatória, pois tudo na decoração minimalista faz mais sentido quando tem uma função. Por isso, considere os usos do cômodo ou a área a ser pintada antes de se decidir pela cor. No quarto, por exemplo, escolha uma nuance calmante; no home-office, energizante etc.

Quando aos pisos, os revestimentos que reproduzem madeiras ou pedras são ideais. Se o imóvel for amplo, invista nos grandes formatos de porcelanato.

2. Iluminação

Em casas com janelas amplas e paredes claras — itens básicos nos ambientes minimalistas —, a luminosidade natural costuma ser suficiente. Mas em cômodos que, porventura, necessitem de mais luz mesmo durante o dia, vale a pena instalar luminárias com lâmpadas LED, combinando eficiência e economia.

Em relação ao design dos lustres e pendentes, a proposta privilegia formas geométricas (arrojadas ou não) e materiais que lembrem metal, madeira ou concreto. Além deles, luminárias focais são indispensáveis, pois valorizam o mobiliário.

3. Móveis

Poucos e bons, os móveis devem ter linhas simples, design sofisticado, materiais naturais (couro ou madeira, principalmente) e cores neutras. Para os mais modernos, opções revestidas em laca e com tampos de vidro também são válidas.

Peças multiuso, como sofá-cama, mesas extensíveis, armários que aproveitem todo o pé-direito e pufes que servem tanto de banco como de mesinha de apoio, entre outras, são muito bem-vindas.

Na hora de tomar a decisão, avalie o conforto. O mobiliário deve proporcionar todo o aconchego que um lar merece e, ao mesmo tempo, ser proporcional aos cômodos, pois as áreas livres para a circulação são muito importantes em uma decoração minimalista.

4. Objetos complementares

Evite peças decorativas sem nenhuma função. Os adeptos do minimalismo apreciam objetos eletrônicos, os quais enfeitam e são funcionais ao mesmo tempo.

Mas é possível decorar com opções mais em conta. Vasos de cimento, por exemplo, são ótimos para cultivar plantas ornamentais. Na maioria das vezes, eles têm formas geométricas, com predomínio de linhas retas.

Se sentir falta de pontos de cor, pendure alguns quadros com motivos minimalistas e/ou fotografias com molduras simples, mas em tons vibrantes, nas paredes. Já almofadas e mantas, além de aumentarem o aconchego, ajudam a colorir o mobiliário.

5. Tecnologia

A tecnologia também é uma aliada do estilo minimalista, pois colabora com a organização interna e externa da residência. Por exemplo: em vez de colocar vários porta-retratos na sala de estar, basta um digital. Já em um jardim com irrigação automatizada, a mangueira jamais fica desenrolada pelo gramado.

Citamos apenas algumas possibilidades simples. Quem investe em um bom projeto de automação residencial pode controlar praticamente toda a casa de maneira remota, com um pequeno dispositivo móvel.

É possível imprimir personalidade ao décor minimalista?

Certamente, pois esse estilo é um dos mais autênticos. Como não há lugar para objetos aleatórios, cada peça utilizada reflete o modo de vida de pelo menos um membro da família. Quando se opta por uma decoração minimalista, cria-se um lar atemporal, à prova de modismos que exigem atualizações constantes.

Mas, como mostrado, alcançar tamanha simplicidade não é tão fácil. Para pensar em ambientes com decoração minimalista, exercite o desapego, faça um bom planejamento e mantenha o foco naquilo que considera essencial. Sua família só tem a ganhar!

Quer saber mais sobre construção e design de interiores, mesmo não sendo profissional da área? Siga nossas redes sociais e deixe seu lar como sempre desejou! Estamos no InstagramFacebookTwitter e LinkedIn.

Posts relacionados